SOBRE O PERDÃO

SOBRE O PERDÃO

por Fabio Ferreira Balota

PERDOAR NÃO É DIFÍCIL. MAS, EMBOTADOS QUE ESTAMOS, TEMOS PROBLEMAS EM VENCER AS BARREIRAS DO EU, DO EGO. APEGAMO-NOS À DOR E AO SOFRIMENTO, E ESTE APEGO INVIABILIZA O PERDÃO.

ENQUANTO ACHARMOS QUE EXISTE ALGO OU ALGUÉM A SER PERDOADO, NÃO PERDOAREMOS NADA NEM NINGUÉM, NEM TOTAL NEM PARCIALMENTE. O PERDÃO PARCIAL NÃO EXISTE, É SÓ MAIS UMA CÔMODA INVENÇÃO.

SEM QUE EXISTA UMA MUDANÇA RADICAL DO PONTO DE VISTA DA HISTÓRIA, O PERDÃO NÃO É POSSÍVEL.

ENQUANTO NÃO NOS DESPRENDERMOS DE IDÉIAS E FRASES PADRONIZADAS – "ELE ME FEZ ISSO!", "ELA ME FEZ AQUILO!", "AH, SE FOSSE COMIGO!", “ELE ME FEZ ISSO, MAS EU PERDOEI!”, "ELE LHE FEZ TUDO ISSO E VOCÊ NÃO FEZ NADA?" – NÃO ESTAREMOS HABILITADOS A PERDOAR. ESTAREMOS AINDA MUITO PRESOS AO EU, ESTAREMOS REFÉNS DAS IDÉIAS, DAS HISTÓRIAS.

A QUESTÃO FUNDAMENTAL É QUE, QUANDO PERDOAMOS ALGUÉM, PERCEBEMOS, NO FINAL, QUE NÃO HAVIA NADA A SER PERDOADO.

CONFLITOS E MÁGOAS ACONTECEM PORQUE FANTASIAMOS, EXAGERAMOS, CRIAMOS ILUSÕES, EXPECTATIVAS, SOBRE SITUAÇÕES QUE NOS ACONTECEM OU SOBRE O FUTURO, PORQUE CULPAMOS OS OUTROS POR NÃO TEREM REALIZADO NOSSOS DESEJOS, NOSSAS FANTASIAS, POR NÃO TEREM CORRESPONDIDO ÀS NOSSAS EXPECTATIVAS.

MAS, QUANDO CONSEGUIMOS ENXERGAR O QUADRO SOB UM OUTRO PONTO DE VISTA, PERCEBEMOS QUE NADA HAVIA A SER PERDOADO, NÓS É QUE ESTÁVAMOS DELIRANDO, SONHANDO, FANTASIANDO, DISTORCENDO AS COISAS.

ENQUANTO ADOTARMOS A POSTURA DE ALARDEARMOS NOSSO PERDÃO ÀS PESSOAS, A DESPEITO DELAS NOS TEREM FEITO ISSO OU AQUILO, NÃO ESTAMOS PERDOANDO DE FATO. ESTAMOS, SIM, NOS ENGANANDO, FECHANDO AS PORTAS PARA UM PERDÃO REAL, CARREGANDO MÁGOAS, RAIVAS E RESSENTIMENTOS, QUE SE ESTENDERÃO POR MUITO TEMPO. NO FUNDO, O PRÓPRIO ENUNCIADO DE NOSSOS DIZERES, REVELA QUE NÃO PERDOAMOS.

ENQUANTO NÃO ACEITARMOS AS COISAS, AS PESSOAS, AS SITUAÇÕES COMO REALMENTE SÃO, A VIDA TAL QUAL SE APRESENTA, NÃO SERÁ POSSÍVEL PERDÃO ALGUM. PRECISAMOS ENTENDER QUE TUDO É COMO DEVERIA SER. NÓS É QUE, COM NOSSO ORGULHO, ACHAMOS QUE TUDO DEVERIA SER DIFERENTE, QUE TUDO DEVERIA SER DO JEITO QUE IDEALIZAMOS.

NÃO PERDOAMOS PORQUE SOMOS IMPACIENTES, INTOLERANTES; PORQUE NOS COLOCAMOS COMO VÍTIMAS DAS SITUAÇÕES; PORQUE NÃO ACEITAMOS OS OUTROS OU AS SITUAÇÕES. NÃO ACEITAMOS PESSOAS E FATOS E QUEREMOS SER ACEITOS. NÃO PERDOAMOS E QUEREMOS SER PERDOADOS. NÃO RESPEITAMOS E QUEREMOS SER RESPEITADOS. SOMOS INCAPAZES DE PARAR PARA PERCEBER QUE TUDO ISSO É CONSEQUÊNCIA DIRETA DO FATO DE NÃO NOS ACEITARMOS, DE NÃO NOS RESPEITARMOS, DE NÃO NOS PERDOARMOS, DE VIVERMOS NOS CULPANDO, NOS COBRANDO.

EGOÍSTAS QUE SOMOS, ACREDITAMOS QUE PRECISAMOS PERDOAR O PRÓXIMO E ESQUECEMOS QUE TAMBÉM PRECISAMOS DE SEU PERDÃO. TALVEZ, SAINDO UM POUCO DE DENTRO DE NÓS MESMOS E SENDO UM POUCO MENOS EGOÍSTAS, POSSAMOS ALCANÇAR A PERCEPÇÃO DE QUE TAMBÉM PRECISAMOS SER PERDOADOS. CERTAMENTE, JÁ ERRAMOS MUITO E CONTINUAMOS A ERRAR, A MAGOAR PESSOAS PRÓXIMAS SEM PERCEBER, A AGIR MAL, A IRRITAR OS OUTROS.

CERTAMENTE, POR MUITAS VEZES, TAMBÉM JÁ CAUSAMOS SOFRIMENTO A TERCEIROS. NÃO SOMOS TÃO SANTOS QUANTO ACREDITAMOS SER. ESTA NOVA PERCEPÇÃO, UMA VEZ ATINGIDA, NOS LEVARÁ A RELAXAR. E, ASSIM, PODEREMOS AMPLIAR SIGNIFICATIVAMENTE NOSSA CAPACIDADE DE PERDÃO, POIS TEREMOS COMPREENDIDO QUE OS OUTROS TAMBÉM PRECISAM NOS PERDOAR, E MUITO.

A ESSE RESPEITO, REFLITAMOS SOBRE AS SÁBIAS PALAVRAS DO CRISTO, EM MATEUS 18:

21 – ENTÃO, PEDRO, CHEGANDO–SE A ELE, DISSE: SENHOR, ATÉ QUANTAS VEZES PECARÁ MEU IRMÃO CONTRA MIM, E EU LHE PERDOAREI? ATÉ SETE?

22 – JESUS LHE DISSE: NÃO TE DIGO QUE ATÉ SETE, MAS ATÉ SETENTA VEZES SETE.

23 – POR ISSO, O REINO DOS CÉUS PODE COMPARAR–SE A UM CERTO REI QUE QUIS FAZER CONTAS COM OS SEUS SERVOS;

24 – E, COMEÇANDO A FAZER CONTAS, FOI–LHE APRESENTADO UM QUE LHE DEVIA DEZ MIL TALENTOS.

25 – E, NÃO TENDO ELE COM QUE PAGAR, O SEU SENHOR MANDOU QUE ELE, SUA MULHER  E SEUS FILHOS FOSSEM VENDIDOS, COM TUDO QUANTO TINHA, PARA QUE A DÍVIDA SE LHE PAGASSE.

26 – ENTÃO, AQUELE SERVO, PROSTRANDO–SE, O REVERENCIAVA, DIZENDO: SENHOR, SÊ GENEROSO PARA COMIGO, E TUDO TE PAGAREI.

27 – ENTÃO, O SENHOR DAQUELE SERVO, MOVIDO DE ÍNTIMA COMPAIXÃO, SOLTOU–O E PERDOOU–LHE A DÍVIDA.

28 – SAINDO, PORÉM, AQUELE SERVO ENCONTROU UM DOS SEUS CONSERVOS QUE LHE DEVIA CEM DINHEIROS E, LANÇANDO MÃO DELE, SUFOCAVA–O, DIZENDO: PAGA–ME O QUE ME DEVES.

29 – ENTÃO, O SEU COMPANHEIRO, PROSTRANDO–SE A SEUS PÉS, ROGAVA–LHE, DIZENDO: SÊ GENEROSO PARA COMIGO, E TUDO TE PAGAREI.

30 – ELE, PORÉM, NÃO QUIS; ANTES, FOI ENCERRÁ–LO NA PRISÃO, ATÉ QUE PAGASSE A DÍVIDA.

31 – VENDO, POIS, OS SEUS CONSERVOS O QUE ACONTECIA, CONTRISTARAM–SE MUITO E FORAM DECLARAR AO SEU SENHOR TUDO O QUE SE PASSARA.

32 – ENTÃO, O SEU SENHOR, CHAMANDO–O À SUA PRESENÇA, DISSE–LHE: SERVO MALVADO, PERDOEI–TE TODA AQUELA DÍVIDA, PORQUE ME SUPLICASTE.

33 – NÃO DEVIAS TU, IGUALMENTE, TER COMPAIXÃO DO TEU COMPANHEIRO, COMO EU TAMBÉM TIVE MISERICÓRDIA DE TI?

34 – E, INDIGNADO, O SEU SENHOR O ENTREGOU AOS ATORMENTADORES, ATÉ QUE PAGASSE TUDO O QUE DEVIA.

35 – ASSIM VOS FARÁ TAMBÉM MEU PAI CELESTIAL, SE DO CORAÇÃO NÃO PERDOARDES, CADA UM A SEU IRMÃO, AS SUAS OFENSAS.

PARA SABERMOS QUANTAS VEZES, PELO QUÊ E QUANDO DEVEMOS PERDOAR ALGUÉM, BASTA PERGUNTARMO-NOS QUANTAS VEZES, PELO QUÊ E QUANDO GOSTARÍAMOS DE SER PERDOADOS.

BUSCAR O PERDÃO É BUSCAR COMPREENDER O OUTRO, COMPREENDER AS SITUAÇÕES; É BUSCAR UM NOVO PONTO DE VISTA, UM PONTO DE VISTA MAIS ALTRUÍSTA; É RENUNCIAR AOS NOSSOS PRÓPRIOS SOFRIMENTOS, PRATICAR A TOLERÂNCIA, A PACIÊNCIA, A COMPAIXÃO, A SENSIBILIDADE. TODOS ESSES ATOS, POR SI, JÁ SÃO ATOS DE PERDÃO.

Fabio Ferreira Balota

FUNDASAW - São Paulo

 


Contacto

Acessando a Divina Luz - Lições de Vida